Notícias

8 DE MARÇO

Projeto Quatro Estações leva esclarecimentos para mulheres em jornada de palestras

03/03/2012 - 15:01
LUCIENE OLIVEIRA
Assessoria/PJC-MT
 
“83% da população brasileira conhecem a Lei Maria da Penha. Mato Grosso é o Estado que se destaca na aplicabilidade da Lei 11.340/2006”, a afirmação é da superintendente Estadual de Políticas para as Mulheres, Ana Emília Iponema Brasil Sotero, que ministrou palestra na manhã deste sábado (03.03) para mais de 80 mulheres, no auditório da Diretoria Geral da Polícia Judiciária Civil, em Cuiabá.
 
Cerca de 80 mulheres participam de palestras sobre violência doméstica, saúde e drogas.
A jornada de palestras que engloba discussões sobre a violência doméstica, direitos trabalhistas, saúde da mulher e prevenção e combate as drogas foi organizada pelo projeto “Quatro Estações” em comemoração a data 8 de março, Dia Internacional da Mulher. O público alvo são mulheres da região do bairro Jardim Vitória e zona rural da região atendida pela Base Comunitária do Jardim Vitória e contempladas com as atividades do projeto social.
 
Com o tema “Saúde Emocional da Mulher”, a superintendente e também presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, Ana Emília Iponema Brasil Sotero, por mais de duas horas conversou com as mulheres sobre violência doméstica e familiar.
 
Para Sotero ainda há muitos profissionais despreparados para lidar com a vítima de violência doméstica, assim como existem também pessoas que desconhecem a lei. Segundo ela, com recente decisão do Supremo Tribunal Federal que tornou a lei constitucional será preciso reverter essa situação. “A partir de 9 de fevereiro a ação  tornou-se incondicionada, mesmo que a mulher não queira denunciar. A demanda vai aumentar pois agora o Ministério Público é o dono da ação”, destacou.
 
Barreiras e falta de apoio foram os principais motivos que fizeram com que uma vítima,  cujo nome não será revelado, saísse de Corumbá, Mato Grosso do Sul, para buscar ajudar na capital mato-grossense. “Sai de Corumbá, larguei tudo para trás. Consegui apoio aqui. Mato Grosso tem trabalho para a mulher”, afirmou.
 
A investigadora Rosimeire Pedrosa, coordenadora do  projeto Quatro Estações, disse que buscou trabalhar o tema devido a experiência vivenciada na região da Base Comunitária do Jardim Vitória. “Há um grande índice de violência doméstica na região. Como investigadora, sou procurada por mulheres não só para o registro de boletins, mas também para dar orientações. Muitas delas ainda temem fazer o boletim de ocorrência. Isso nos chamou a atenção e motivou a realizar esse encontro, com apoio da Superintendência Estadual de Políticas para as Mulheres”, disse a policial.  
 
Já dúvidas e pouco conhecimento dos diretos garantidos à mulher pela Lei Maria da Penha, fizeram com que as donas de casa, Rosana Cristina de Oliveira Conceição e Maria da Silva Silveira, moradoras do bairro Altos da Chapada, participassem da palestra. “Hoje tire uma dúvida de um problema que vivo em casa. Descobri que xingamento também é uma forma de violência”, disse a dona de casa Maria da Silva. “Isso aqui é muito bom para a gente saber das coisas, porque só vemos pela televisão”, complementou Rosana.
 
As drogas também são outra demanda enfrentada pelos moradores da região do Jardim Vitória e também foco de constantes ações preventivas dos policiais civis e militares das Bases Comunitárias de Cuiabá e Várzea Grande. Para levar mais informações sobre o tema, dois ex-dependentes químicos contaram, no período da tarde, um pouquinho de sua experiência no submundo das drogas e de como conseguiram se libertar do vício.
 
A jornada de palestras terminou discutindo a saúde da mulher, com a professora da Faculdade de Enfermagem, da Universidade de Várzea Grande (Univag), Iracema Alencar.
 
O evento realizado pela Base Comunitária do Jardim Vitória, por meio do projeto “Quatro Estações”, contou com apoio do Conselho Estadual dos Direitos das  Mulheres do Estado de Mato Grosso, Polícia Militar, Coordenadoria de Polícia Comunitária da Sesp, Conselho Comunitário, investigadora Edleusa Afonso Mesquita e outros órgãos.
A PJC também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!

Assessoria de Comunicação Social
www.pjc.mt.gov.br
asscom@pjc.mt.gov.br
(65) 3613-5673

Compartilhe essa notícia