23/10/2009 - 09:30
TRÁFICO DE DROGAS
Gefron já apreendeu nesta semana 151 cápsulas de drogas com 'mulas humanas'

RAQUEL TEIXEIRA
Assessoria/Sejusp-MT

Assessoria/Sejusp-MT
Gefron realiza diariamente apreensão de drogas na fronteira

Mais dois bolivianos foram presos no último fim de semana com 98 cápsulas de drogas. Na barreira do Limão, em Cáceres, policiais do Grupo Especial de Segurança de Fronteira (Gefron) prenderam José Luis Choque Cruz, 27 anos, em uma van que seguia de San Mathias a Cáceres. Aparentando nervosismo, José Luis foi encaminhado para o Hospital Regional de Cáceres para radiografia. No exame foi constatado que José Luis havia engolido 44 cápsulas de pasta base de cocaína, correspondente a 575 gramas da droga.

No mesmo dia, na barreira de Corixa, também na região de Cáceres, os policiais encaminharam para exames no Hospital Regional outro boliviano, Eduardo Zenon Lastra Freitas, 36 anos, que afirmou ter engolido 44 cápsulas de pasta base. Como havia expelido apenas 36 das cápsulas, ele foi internado para aguardar expelir o restante. Contudo, após dois dias no hospital, foi observado que Eduardo Zenon não engoliu apenas as 44 cápsulas como ele havia informado à polícia.

Foi necessária uma intervenção cirúrgica abdominal para retirar as demais cápsulas que não foram expelidas. No total, o boliviano engoliu 54 cápsulas, o que correspondeu a 890 gramas de pasta base de cocaína.

Os dois bolivianos foram encaminhados à Delegacia da Polícia Federal de Cáceres.

Nesta semana já são três prisões com apreensão de drogas camufladas em cápsulas engolidas por bolivianos. Foram apreendidas 151 cápsulas no total.

Estratégias de camuflagem

Tornou-se comum no tráfico de drogas na região de fronteira as ‘mulas humanas’ camuflarem as cápsulas de drogas envolvendo-as em filme plástico automotivo, o que dificulta a detecção por meio de Raio X. Os traficantes de drogas utilizam desse artifício para driblar a fiscalização, pois trata-se de material de resistência para embalar a droga e é menos suscetível à ação dos sucos digestivos e consequente vazamento do entorpecente nos órgãos humanos.

A identificação desse artifício foi mapeada pelo médico legista e perito oficial do Estado, Manoel Campos Neto, que pesquisou e estudou o assunto depois de fazer um levantamento do número de pessoas presas na região da fronteira entre Brasil e Bolívia. A pesquisa desenvolvida, que pelo médico legista foi selecionada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça, para representar o País no Congresso Internacional de Medicina Legal.

 
Índice de Notícia