Notícias

NÚCLEO DE PESSOAS DESAPARECIDAS

Polícia Civil faz buscas a ossadas de mulheres desaparecidas em 2013

13/05/2019 - 14:30

Assessoria | PJC-MT (atualizada 16h32)

A Polícia Civil realiza buscas aos corpos de duas mulheres desaparecidas em 2013. As investigações do Núcleo de Pessoas Desaparecidas, da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), apontam que o suspeito, Adilson Pinto da Fonseca, 48 anos, matou as mulheres e enterrou os corpos no terreno ou dentro da casa dele, no bairro Nova Conquista, em Cuiabá. Ele já está preso em flagrante por ocultação de cadáver.

A primeira vítima, Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos, teve a comunicação do desaparecimento em julho de 2013. Ela era namorada do suspeito e a segunda vítima, Benildes Batista de Almeida, 39 anos, que desapareceu em dezembro de 2013, seria sua ex-mulher.

Ossada de uma delas foi encontrada mais de 1 metro de profundidade perto da calçada, na lateral da casa. Mesmo usando equipamento apropriado para rastreamento de solo, foi uma denúncia recebida enquanto o trabalho era realizado, que ajudou as equipes na localização do ponto em que o corpo havia sido ocultado.

A segunda ossada ainda não foi achada. No entanto, o suspeito, após a primeira ossada ser localizada, acabou confessando as duas mortes e informando onde teria enterrado a segunda vítima. No entando, depois o supeito voltou atrás na versão, afirmando que não sabe da morte da ex-mulher. As buscas continuam para averiguar outros locais do imóvel. 

Um exame de DNA deverá ser feito para confirmar se a ossada pertence a vítima, Talissa, a qual o suspeito confessa ter matado, porém, não deu detalhes do crime. 

As buscas são realizadas por determinação da Justiça, após requerimento da Polícia Civil. O delegado Fausto José Freitas da Silva, acompanha os trabalhos no local, junto com uma equipe da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), Corpo de Bombeiros com um cão farejador, Águas Cuiabá e um professor de Geologia da Universidade Federal de Mato Grosso.

“Viemos com uma equipe preparada para esse trabalho, com perícia, um  professor de geologia para fazer levantamento do solo e aparelhagem especifica para identificação dos pontos. Uma ossada já encontramos. A retirada dos ossos é muito delicada, tem  que se tirar  osso por osso para não quebrar. Temos uma suspeita do segundo local da outra vítima”, disse.

Os inquéritos, com mais de dois volumes de informações colhidas ao longo dos anos da investigação, direcionam para o suspeito. “Mas não tínhamos corpo e agora poderemos concluir”, afirmou o delegado Fausto José Freitas, que deve novamente interrogar o preso para saber das motivações  e circunstâncias em que as mortes ocorreram .

Os sumiços

A vítima Talissa de Oliveira Ormond, 22 anos, teve o desaparecimento comunicado em 8 julho de 2013, cerca de quatro dias depois de sumir. A mãe da moça contou que ela tinha saído para trabalhar em uma empresa de telefonia e não mais deu notícias. Na empresa, a chefe da vítima informou à mãe que naquele dia ela tinha trabalhado o dia todo e quando saiu havia um rapaz moreno em uma motocicleta a espera dela. Mas ninguém a viu sair com ele. No dia seguinte, a vítima teria ligado na empresa pedindo socorro. Depois não deu mais notícias.

A segunda vítima,  Benildes Batista de Almeida, 39 anos, desapareceu em 17 de dezembro de 2013. Ela morava na cidade de Asturia, na Espanha, e tinha voltado ao Brasil, onde passou cinco meses com a família. A filha dela entrou em contato com a Polícia Federal, que não identificou que ela havia saído do Brasil. Ela era ex-mulher do suspeito.

A PJC também está no Facebook, Flickr e Instagram. Siga-nos!

Assessoria de Comunicação Social
www.pjc.mt.gov.br
asscom@pjc.mt.gov.br
(65) 3613-5673

Compartilhe essa notícia